2010/02/10

Mudar é uma escolha

Tudo o que hoje desejamos já aprendemos a desejar. Tudo o que hoje nos repugna já o aprendemos a repugnar. De forma consciente ou inconsciente aprendemos. Mudar é uma escolha que se faz e a mudança uma aprendizagem que se aceita.

O ser humano é dotado de uma adaptabilidade poderosa que ao longo destes últimos anos tem sido negligenciada em função de uma matriz rígida imposta por uma sociedade de consumo com referenciais de felicidade muito limitados.

Associado a estes referenciais limitados continua a ser defendido um conjunto de princípios e valores morais caducos ou desajustados à complexa realidade do ser humano dos dias de hoje.

Por isso a sensação de inadaptação ou desadequação que algumas pessoas sentem hoje em dia, ao contrário do que lhes é normalmente dito, não é patológica. É sim a manifestação de uma vontade de mudar e construir um caminho que faça mais sentido. E isso é saudável.

7 Comments:

Blogger Sandra Campos said...

olá Mario,
Sou a sandra Campos (ex-24/7 Portugal).
Parabéns pelo teu blog e trabalho nesta área. É muito interessante.
gostava de seguir o teu blog mas nao vejo nenhuma aplicaçao tipo "seguidores" ou 2rss".
É provável que tenha sido eu que nao vi bem mas podes dizer-me como o fazer?
Obrigada e um beijinho,
Sandra Campos
sandraalvescampos@gmail.com

http://transplantes-pulmonares.blogspot.com

quinta-feira, fevereiro 11, 2010 1:05:00 da tarde  
Blogger Mário Rui Santos said...

Olá Sandra, obrigado pela tua visita e por este teu comentário. Acabei de te enviar um convite através do blogspot para seguires este blog (espero que funcione). De qualquer forma, através do facebook ou do twitter podes ir observando/lendo as actualizações se quiseres.
Espero que esteja tudo bem contigo.
Abraço

quinta-feira, fevereiro 11, 2010 1:50:00 da tarde  
Blogger Fátima Branco said...

Então porque é que a rotina dos factos, dos sentimentos e das emoções nos tranquiliza? Como é que se distinguem os princípios e valores morais caducos dos que absorvemos ao longo da nossa vida e já não podemos viver sem eles? Eles, os tais princípios,não são a nossa identidade?

Fáima Branco

sábado, fevereiro 20, 2010 11:00:00 da tarde  
Blogger Mário Rui Santos said...

A rotina dos factos, dos sentimentos e das emoções aparentemente tranquilizam-nos pela sua familiaridade e conhecimento. Mas algumas destas rotinas de sentimentos podem estagnar o nosso desenvolvimento enquanto seres. É nessa altura que talvez seja bom considerar uma mudança, para um novo conforto desconhecido mas com igual potencial tranquilizante é importante.
Se essa mudança nos fizer sentido
e nos edificar, fazê-la respeitando os seres que se relacionam connosco e as nossas circunstâncias e ambientes é fazê-la de acordo com os nossos princípios.
Em relação aos princípios e valores morais caducos que absorvemos...estamos sempre a tempo de os actualizar.
A nossa identidade é uma flor, planta, árvore...cresce, adapta-se, reforça-se.

quarta-feira, fevereiro 24, 2010 10:58:00 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Boa tarde, comprei o seu livro e ja solicitei para o seu mail o envio das restantes gravações dos exercicios.
Quando consegue proceder ao envio?

Cumpr

sexta-feira, fevereiro 26, 2010 3:14:00 da tarde  
Blogger Moura said...

O comentario anonimo em cima é meu.

Catarina Mouro

Cumpr

sexta-feira, fevereiro 26, 2010 3:15:00 da tarde  
Blogger Mário Rui Santos said...

Olá Catarina
Obrigado pelo seu contacto, estou neste momento a regravar alguns textos do livro e brevemente enviar-lhe-ei os links para poder fazer o download desses audiotextos.
Abç

terça-feira, março 02, 2010 3:50:00 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home