2009/01/26

Um caminho para a Luz, apenas um caminho...


Falamos e ouvimos falar tanto da Luz. De uma Luz. Uma Luz que nos ilumina, que nos acompanha, que está dentro de nós. Para alguns essa Luz é Deus, para outros o Universo, a força do Universo, a Energia Universal, o Ki, o Amor, a Paz. A Luz é tanto em nós e quanto mais nos sentimos no seu caminho mais a enriquecemos conceptualmente, tornando-a mais rica e poderosa.

Para outros que se sentem distantes deste conceito, admitir a possibilidade de uma Luz, que ilumina e acompanha o seu ser é uma proposta de alienação do seu próprio conhecimento ou auto-construção. É algo que não faz sentido porque os distrai de si mesmos. A estes direi que a Luz de aqui falo-escrevo é também exactamente isso: o seu próprio conhecimento e força de construção.

Assim, seja você uma pessoa mais racional ou uma pessoa mais espiritual, a proposta de caminho que aqui lhe deixo é uma proposta pragmática e universal. Que será tanto ou mais espiritual, tanto ou mais racional, conforme o seu próprio sistema de crenças e convicções.
E há tantos caminhos para esta Luz. Tantos. Este é apenas um caminho, uma proposta de caminho.

Durante alguns anos da minha vida, no início da minha actividade profissional, aquilo que a vida me trouxe foi um trabalho com máquinas. Com os meus 17/18 anos, depois de ter pensado em seguir engenharia electrotécnica - porque o meu sonho era trabalhar na geração de energia - para ganhar dinheiro comecei a trabalhar com computadores. Isto há mais de 20 anos. Fazia na altura programas informáticos, escrevia linhas de programação e punha essas mesmas máquinas a "pensar" e a "responder" de uma determinada forma a inputs (dados) que os utilizadores introduziam. Com o objectivo de facilitar o processamento desses valiosos dados e produzir outros ainda mais valiosos, ao serviço de uma indústria altamente sedutora e manipulativa: a publicidade.

Por um período de cerca de 4/5 anos esta foi a minha vida. Bastante jovem na altura, a ganhar bom dinheiro e a fazer aquilo que gostava e me fazia algum sentido como modo de vida.
A pouco e pouco essa minha opção começou a ser substituída por um outro fascínio que estava tão próximo de mim e que me foi abraçando. Era ele o próprio fenómeno da comunicação, aquele que fazia mover massas de gente para comprar um produto ou manter-se fiel à marca. E assim me fui envolvendo e gostando cada vez mais de o trabalhar, fazendo-me na altura então sentido como forma de vida.

Durante cerca de 20 anos trabalhei nesta área da publicidade, em grandes agências, com grandes clientes e com grandes campanhas. Era feliz e vivia a minha vida satisfeito com ela. Andei pelo mundo, viajei em trabalho, estudei no estrangeiro, sempre com a publicidade na minha vida...fazia-me sentido e sentia-me bem.
Hoje em dia sinto-me grato por este período da minha vida, apesar de também hoje pensar que nas vivências e experiências normais decorrentes da minha existência poderia por vezes ter aproveitado melhor o meu tempo. Mas também esse pensamento de ligeira recriminação me faz cada vez menos sentido neste agora. E para o passado, de facto, olho com um sorriso e um abraço de gratidão por todos os momentos - bons ou menos bons - que, de alguma forma, aquele eu criou para mim.

Há cerca de oito anos, estava eu mais ligado à consultoria e formação na área do marketing e comunicação, tive contacto com uma coisa estranha que me surgiu à frente: hipnose clínica. Guardei esse artigo de jornal e alguns dias mais tarde novo elemento me surgiu, nessa altura o anúncio de uma escola inglesa que fazia formação nessa área cá em Portugal. Também esse anúncio eu guardei, para digerir, processar e tomar uma decisão.

Naquele contexto, o meu interesse justificava-se por ter necessidade de adquirir ferramentas de dinamização de grupos, na área de formação. Não me passava pela cabeça sequer que poderia ser algum dia terapeuta, facilitador, ou qualquer coisa do género. Era para mim, acima de tudo, a aquisição de competências para me tornar um melhor formador. E passados alguns dias decidi contactar a escola, ter a entrevista de selecção e finalmente inscrevi-me no curso.
Fiz então o primeiro nível, que não só me proporcionou o contacto com técnicas de relaxamento e visualização mas também uma mudança na minha própria concepção de mim e de me relacionar comigo. Foi uma experiência transformadora.

Por mim, aquela experiência pararia ali. O dinheiro falava mais alto, precisava de sustentar a minha família e as despesas na altura (como hoje) eram extremamente ponderadas, não se compadecendo com a minha vontade de continuar essa formação. Contactei então a minha supervisora e a coordenadora do curso, informando-as dessa decisão para grande pena minha.
Alguns dias mais tarde fui contactado por esse Ser, que coordena as actividades da escola, propondo-me um acordo de pagamento e uma colaboração com a escola.

Na altura, um pouco em função das directivas da casa-mãe em Londres, os suportes de formação eram mais limitados e fiquei com a incumbência de criar suportes complementares à formação e tornar um pouco mais dinâmicas as aulas. Aceitei, assim fiz e durante cerca de três anos frequentei e assisti a várias edições dos três níveis de formação em hipnose clínica. Comecei também a dar formação com a escola em Portugal e em Espanha. Tendo mais tarde tido a felicidade de concretizar um outro sonho com essa mesma escola. Acompanhei a cooordenadora de formação num novo projecto da escola na Malásia, onde dei igualmente algumas aulas a alunos malaios, e fui até Angkor Wat ao coração do Cambodja onde permaneci durante alguns dias até voltar para a Malásia para mais algumas aulas. Desde então em Portugal, criei o meu próprio projecto de formação na área da hipnoterapia, mantendo-me ainda ligado como as circunstâncias e a vida o permitem às pessoas do London College of Clinical Hypnosis, com gratidão, respeito e admiração crescentes.

Mas a minha envolvência com a hipnose clínica é bem mais do que a formação. Desde cedo, assim que terminei a minha formação, tive a oportunidade de aplicar a minha aprendizagem de uma forma progressiva fazendo trabalho voluntário com uma associação sem fins lucrativos, com que ainda hoje colaboro. E à medida que fui ganhando mais experiência e conhecimento, fui igualmente trabalhando a nível individual em consultório e desde 2003 que já trabalhei com centenas de pessoas que procuraram e procuram esta abordagem. Num caminho de crescimento, de ajuda e aprendizagem mútua.

É neste caminho que tenho vindo a construir, a propor e a aplicar, um modelo cada vez mais poderoso de auto-conhecimento e construção. Um caminho e um modelo que eu próprio fui construindo com o input das minhas formações contínuas nas mais diversas áreas ligadas à mente humana, mas especialmente à área da hipnose. Um caminho e um modelo poderoso e enriquecido pelas próprias pessoas com quem tive a felicidade de me cruzar e trabalhar como pacientes, clientes, amigos e formadores. Mas especialmente os meus pacientes (Mutantes - como eu gosto de os ver. Porque eles Mudam, não esperam...).

E cada vez mais me faz sentido este caminho, não só porque de forma progressiva as pessoas com quem trabalho o têm vindo a adoptar como factor auxiliar de mudança na sua vida, mas porque também eu próprio o experimento e aplico na minha vida. E sinto-me bem, muito bem.

O caminho que proponho é composto por vários passos, que não são necessariamente sequenciais porque a nossa mente trabalha em várias frentes simultâneas:

1-Admitir a possibilidade de que existe um sistema de crenças, convicções e directivas (micro-directivas) que vamos adquirindo e construindo - de forma consciente e inconsciente - ao longo da nossa vida. Com especial incidência e impacto no resto da vida, aquelas que são adquiridas durante a infância e a adolescência (formação da personalidade);

2-Admitir que esse sistema pode ser analisado para a detecção dessas mesmas crenças, convicções e directivas adquiridas - conscientes ou inconscientes;

3-Admitir que esse sistema pode ser mudado, adaptado à realidade e ao equilíbrio de cada um;

4-Adquirir as competências para uma observação tranquila desse sistema;

5-Adquirir as competências para uma auto-comunicação verbal, visual, multissensorial... orientada para o equilíbrio e para o desenvolvimento pessoal;

6-Adaptar essas competências ao seu imaginário, à sua criatividade e à sua experiência de vida;

7-Instalar e ginasticar essas competências, para um modo de funcionamento automático e inconsciente;

5-Adquirir as competências para
- Aceitar o seu passado
- Respeitar o seu passado
- Amar o seu passado
- Estar grato pelo seu passado

6-Aceitar, Respeitar, Amar e Estar Grato pelo seu Passado

7-Adquirir as competências para
- Construir o seu Futuro
- Respeitar o seu Futuro
- Amar o seu Futuro
- Aceitar o seu Futuro
- Estar grato pelo seu Futuro

8-Construir, Respeitar, Amar, Aceitar e estar Grato pelo Futuro que objectiva e vai construindo;

9-Adquirir as competências para mudar o seu Agora
- Na sua forma de Pensar e de Agir (consigo próprio e com os outros), de forma inconsciente e automática.

10-Mudar o seu Agora
- Permitir, abraçar, respeitar, amar o caminho que constrói.
- Gerir de forma tranquila o equilíbrio e o seu desenvolvimento - fazendo-o de forma inconsciente e automática.

Estas 10 etapas são etapas que deverão ser trabalhadas de forma individualizada e adaptada, e a sua velocidade de implementação varia de ser para ser, de pessoa para pessoa.
No entanto, neste método é extremamente rápida a avaliação da sua eficácia e numa só sessão a pessoa que o conhece e exercita faz também ela a sua própria avaliação de forma rápida. Assim, avaliará e perceberá em poucos minutos - numa primeira sessão - se este é um modelo que lhe faz sentido, e o impacto dessa avaliação reflectir-se-á na sua vontade de continuar e de construir o seu caminho para a Luz, a sua Luz.

Nos workshops (ateliês de formação prática) que regularmente faço, procuro em algumas horas iniciar os formandos neste modelo, com o objectivo de se tornarem os construtores do seu próprio caminho. Uma iniciação que para alguns serve como mais uma referência e que para outros merece alguma atenção para um posterior trabalho individual.
Nas sessões individuais, a metodologia proposta é em tudo idêntica. Com um acompanhamento mais próximo e adaptado às circunstâncias de cada um.

(Consulte o site www.MarioRuiSantos.net para mais informações sobre as sessões individuais, cursos e palestras)

19 Comments:

Anonymous p.mascarenhas said...

É muito interessante esta sua proposta de construção de um Agora.Eu sei.Já a conheço:) Recomendo.

sexta-feira, janeiro 23, 2009 12:08:00 da tarde  
Anonymous t.c. said...

Bom trabalho!:)

sexta-feira, janeiro 23, 2009 5:27:00 da tarde  
Anonymous barbosa said...

Se isto fosse assim tão simples... (parabens pelo livro/conversa como você lhe chama)

sexta-feira, janeiro 23, 2009 7:56:00 da tarde  
Anonymous jorge a. said...

Parece-me um bom caminho :) (parabens pelo seu)

segunda-feira, janeiro 26, 2009 10:41:00 da manhã  
Blogger Pedro Santos Paulo said...

de programador informático a "pastor" de mentes :)

segunda-feira, janeiro 26, 2009 7:05:00 da tarde  
Blogger Mário Rui Santos said...

:) não me vejo bem como um "pastor", vejo-me mais como um limpador de janelas...

segunda-feira, janeiro 26, 2009 7:29:00 da tarde  
Anonymous nuno teixeira said...

josé ortega y gasset também disse "eu sou eu e as minhas circunstâncias".abraços

segunda-feira, janeiro 26, 2009 7:56:00 da tarde  
Anonymous Ana said...

tenho algo parecido em mente... de cientista, exacta, vida de regras e protocolos, para artista, intuitiva, criativa. Só que perdi a força para acabar a minha formação e escolher um rumo para a minha vida. hisstoria longa :)

Nunca se foi abaixo nestas mudanças sucessivas? Como deu a volta antes de descobrir a hipnose?

quarta-feira, abril 22, 2009 8:36:00 da tarde  
Blogger Mário Rui Santos said...

Ana, fui tantas vezes abaixo :) Em relação à hipnose não sei se fui eu que a descobri se foi ela que me descobriu a mim. Só sei que foi um feliz encontro :)

sexta-feira, abril 24, 2009 12:36:00 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

sábado, maio 29, 2010 10:58:00 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Gostei do que li e ouvi.
Gostei do percurso de vida.
«As vezes ,as vidraças estao tao negras que um limpador de janelas tem se substituir os vidros.» Sera?...
A.S

segunda-feira, outubro 25, 2010 1:40:00 da tarde  
Blogger Mário Rui Santos said...

Mudar as janelas é sempre uma opção possível.
Grato pelo comentário, A.S.

terça-feira, outubro 26, 2010 1:39:00 da manhã  
Anonymous Alberta said...

Agradeço esta sua exposição sobre si próprio. Muito útil para quem pretende conhecer melhor o seu terapeuta. Cumprimentos

quinta-feira, abril 12, 2012 10:51:00 da tarde  
Anonymous Jorge said...

Existem ponteiros laser, que emitem um feixe de luz vermelha concentrada, muitas vezes utilizado, por exemplo, para apontar, através de um ponto luminoso, alguma coisa que está escrita num quadro que se encontra a uma certa distancia.

Há algum tempo atrás, houve alguém que utilizou contra mim uma coisa semelhante, só que na parte da frente pareceu-me ter um pequeno cristal, multifacetado e azul. A pessoa em questão, num dia em que fui tratar de um assunto de negócios ao seu escritório, pediu-me para me colocar em frente da sua secretária, disse-me que iria ligar o computador, suponho para que eu desviasse a minha atenção para o ponto que ele queria e, apanhando-me de surpresa, sem eu contar com isso, disparou contra mim um flash azul muito intenso vindo de um objecto que estava escondido que, como eu já disse anteriormente, parecia vir de um cristal azul multifacetado. Naquele momento eu disse para comigo que não podia olhar para aquela luz e desviei a cabeça para cima. Imediatamente esqueci o que tinha acontecido, que tinha visto o tal flash azul intenso, mas fiquei como se estivesse fora de mim, um pouco atordoado. Saí do escritório sem me lembrar desse flash azul, mas notei que o indivíduo que fez o disparo estava um pouco nervoso por qualquer coisa.

À noite em casa, sentei-me numa cadeira, com as luzes apagadas, no escuro portanto. Passaram alguns minutos e de um momento para o outro lembrei-me do que se tinha passado nesse dia dentro do escritório, do tal flash azul e, nesse momento, visualizei um risco fino, como quando se olha para o sol e fica uma marca, com o sentido da trajectória que eu fiz quando desviei a cabeça para cima, como se esse flash tivesse impressionado, devido à sua intensidade, o cérebro, como quando se olha para o sol, como eu já disse.

Saberá dizer-me o que poderá ter sido isto? Porque a cor azul, segundo sei, acalma e numa certa intensidade, como a de um lazer, suponho que pode até criar um efeito hipnótico, uma concentração excessiva para um ponto. Depois, houve o esquecimento imediato, logo a seguir ao flash e a eu ter desviado a cabeça para cima, coisa que geralmente acontece a quem sai de uma sessão de hipnotismo, que não se lembra do que aconteceu.

Aguardo a sua resposta.

sábado, janeiro 05, 2013 4:54:00 da manhã  
Anonymous Jorge said...

Ilustre Sr. Mário Rui Santos,

Continuo à espera da sua resposta sobre a questão do ponteiro laser que eu coloquei atrás.

Será que este é um modo de hipnotizar muito rapidamente, em questão de segundos, por meio de um feixe de luz azul muito concentrada, sem necessidade dos habituais procedimentos que se utilizam para tal?

sexta-feira, janeiro 11, 2013 7:03:00 da manhã  
Blogger Mário Rui Santos said...

Jorge, sugiro-lhe que me contacte por mensagem privada através do meu email mrs@marioruisantos.net ou pelo telefone 964 596 010.
Cumprimentos
MRS

sexta-feira, janeiro 11, 2013 12:00:00 da tarde  
Anonymous jorge said...

Sr.Mário,

Enviei-lhe dois e-mails, para mrs@marioruisantos.net, mas o SAPO.PT não os conseguiu entregar porque foram considerados SPAM e mandou-me uma mensagem de retorno a notificar-me disso.

Como poderei então enviar-lhe um e-mail?

Cumprimentos

Jorge

domingo, janeiro 13, 2013 8:36:00 da manhã  
Blogger Mário Rui Santos said...

Envie para neuroreceptor@gmail.com ou entre em contacto telefónico.

domingo, janeiro 13, 2013 6:11:00 da tarde  
Blogger Unknown said...

O dr Mário Rui Santos caiu me do céu e numa altura em que já não sabia para onde me virar por causa do meu filho só com uma sessão e o Luís saiu com uma autoconfiança renovada! Obrigada dr Mário Rui Santos

quarta-feira, dezembro 14, 2016 4:22:00 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home