2008/03/10

Os sofrimentos de estimação e o bendito chefe


Recentemente perguntei a alguém que se sentia profundamente incomodado por um colega de trabalho, neste caso um chefe, se ele me conseguia fazer uma listagem das coisas que mais o incomodavam na vida - para além desse chefe.

E mais. À medida que ele fosse fazendo essa lista iria atribuindo uma classificação, um valor, a cada situação. Com a condição de que a soma desses valores não poderia ser superior a 100.

E assim, fomos fazendo a lista. Tendo sido a primeira situação dessa lista exactamente aquele chefe. Várias situações foram sendo acrescentadas e revalorizadas, sabendo sempre que o limite da soma não poderia ser superior a 100.

Inicialmente ao chefe atribuímos um valor de 30, mas à medida que fomos avançando na lista o "pobre" do chefe foi reduzido a uns míseros 5. Percebemos então que a lista apesar de não ser muito extensa era diversificada, contendo outras situações que perturbavam a vida daquele homem.

Foi nesse momento que constatámos a utilidade daquele sofrimento e o importantíssimo papel daquele "chefe" na vida daquele homem: é complexo demais para qualquer ser humano gerir múltiplos sofrimentos, assim encontramos um para transferir essa carga e gestão complexa. Com todas as vantagens e desvantagens.

Assim somos nós, nesta nossa vida. Inconscientemente, numa fracção de segundo transferimos todo o nosso sofrimento ou perturbação para aquela que está mais à mão, ou que de alguma forma é mais recorrente.

Para alguns é o trânsito, para outros o vizinho do lado, o colega da escola, o marido, a mulher, os filhos, a sogra, o clube que perde, o árbitro, a política, a vida, o carro, etc. Vamos encontrando sofrimentos de estimação, perturbações ou incómodos provisórios para descarregar as nossas raivas. E alguns deles tornam-se mesmo sofrimentos de estimação, como aquele bendito, importante e utilíssimo chefe.

---
"Tornar-se espectador da própria vida permite escapar aos sofrimentos da vida ."
Oscar Wilde

---

"Natural Blues" - Moby

6 Comments:

Anonymous Diana said...

Concordo Mário!
Ser espectador da própria vida, tomar conhecimento das circunstâncias que a envolvem e de nós mesmos, faz com que aceitemos a Responsabilidade de a gerir da forma mais positiva e permite-nos compreender as suas incongruências.
Caminhar atento, vigilante, sereno, ter "Deus" dentro de nós todos os dias, lava-nos de todo o sofrimento. Em três palavras, Responsabilidade, Aceitação e Gratidão.

terça-feira, março 11, 2008 11:22:00 da manhã  
Anonymous jorge a. said...

Este já conhecia ;) abraço

terça-feira, março 11, 2008 4:22:00 da tarde  
Blogger Xicha said...

A palavrinha mágica é mesmo ACEITAÇAO , reclamar pouco e fazer sempre melhor, direito á indignação, sim, com conta peso e medida ,
No fundo a nossa vida somos nós que a escolhemos, os outros á volta, fazem apenas parte dela e ainda bem ...
:)
Abraço
XI

terça-feira, março 11, 2008 6:25:00 da tarde  
Blogger Margarida Ramos said...

Qual quê? espectador da própria!
Actor e espectador em simultâneo.
Quem é que vai a um concerto e não quer participar à sua maneira.
Espectacular a canção as imagens, o que transmite....

terça-feira, março 11, 2008 8:17:00 da tarde  
Anonymous t.c. said...

Vou passar a tratar melhor o meu chefe ;-) - fica bem

quarta-feira, março 12, 2008 7:57:00 da tarde  
Blogger rusa said...

também acho que tens razao Mário, o facto de estarmos longe faz-nos perceber que às vezes ampliamos a dimensao das coisas a que chamamos problemas.
Afinal nem por isso sao problemas. Antes desafios.
Um abraço

quinta-feira, março 13, 2008 8:16:00 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home