2008/08/26

Thomas Szasz e a psiquiatria



"Se falas com Deus, estás a rezar.
Se Deus fala contigo, és esquizofrénico."
Thomas Szasz

12 Comments:

Blogger Mário Rui Santos said...

Um psicoterapeuta partilhava comigo, há umas semanas atrás, que por vezes era recomendado por alguns especialistas, falar "esquizofrenês" com estas pessoas. Percebi que eu já o fazia há algum tempo, com pessoas que haviam "recebido" diagnósticos de esquizofrenia paranóide, e comunicavamos fluidamente. A determinada altura elas começavam a falar comigo em "normalês".

terça-feira, agosto 26, 2008 2:56:00 da tarde  
Anonymous Diana said...

:)
As grandes questões são:

Como definir o que é ser normal?

A quem compete estipular os requisitos a que deve obedecer o comportamento de uma dita pessoa normal? Quais os limites?

Em que contexto, época, cultura, etc., se adequam esses requisitos?

Não deveriamos ser livres para apenas "SER"?

E se de repente nós "os normais" fossemos rotulados como anormais? Como nos sentiriamos?

terça-feira, agosto 26, 2008 5:46:00 da tarde  
Anonymous teresa said...

Hoje em dia, e cada vez mais, muitos alunos começam cada vez mais cedo a tomar drogas para: "ficarem quietos", "não falarem" diagnosticados de hiperactividade. Eu sempre que posso prefiro dar-lhes uma bola.
Entre os professores a moda é serem bipolares, e tomam drogas para não se rebelarem contra a falta de tempo que têm para se encontrarem todos os dias.

terça-feira, agosto 26, 2008 6:22:00 da tarde  
Blogger Mário Rui Santos said...

As economias de escala preferem perturbações standardizadas para aplicação medicamentosa devidamente industrializada.
A esta sociedade de consumo não interessa criar indivíduos com identidade forte que questionem paradigmas vigentes, em dinâmicas de construção de felicidade própria.
A esta sociedade interessa ainda rentabilizar modelos obsoletos de felicidade, nem que para isso tenha que se "adormecer" os jovens ou adultos indivíduos.

terça-feira, agosto 26, 2008 10:41:00 da tarde  
Blogger Rita Ana said...

A 'normalidade' não se define. O segredo para a oposição a essa economia de escala, à sociedade de consumo ou a esses modelos obsoletos de felicidade, é a tolerância para com os paradigmas de cada um. Sendo que é primordial que cada pessoa os defina por si próprio, e não pelas injecções ou rótulos que a sociedade lhe vende. Aceitar estes, e tantos outros, rótulos, é negarmo-nos a nós próprios, rejeitar a nossa capacidade de pensar e abdicar do nosso bem-estar.
Abraço

quarta-feira, agosto 27, 2008 2:33:00 da manhã  
Anonymous jorge a. said...

"Os que dançam são julgados loucos por aqueles que não conseguem ouvir a música."
Angela Monet

quinta-feira, agosto 28, 2008 1:19:00 da manhã  
Blogger Rosa said...

Gostei do velhote, da expressão, postura e do discurso. Totalmente convicto e serio mas com sentido de humor. Quando for mais velha quero ser assim :)

sábado, agosto 30, 2008 10:05:00 da tarde  
Blogger Mário Rui Santos said...

:) sim, quando for mais velho também quero ter esta juventude de espírito

segunda-feira, setembro 01, 2008 11:51:00 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Alguns grupos de auto-ajuda para familiares de pessoas aditas a substâncias (álcool, droga, etc) dizem que estão também doentes devido ao seu relacionamento com o seu familiar adito. Dizem que é uma doença de relacionamento, porque afecta os familiares que se preocupam com a pessoa que tem esse vício. Com este vídeo fiquei um pouco confuso. Estas pessoas são ou não doentes?? ou depende da interpretação que se dá a esse termo??

"we see things not as they are, but as we are"

Anónimo
Porto :)

terça-feira, outubro 28, 2008 9:00:00 da tarde  
Blogger Mário Rui Santos said...

O termo doença é um termo cada vez mais difundido, usado por quem diagnostica, apropriado por quem é diagnosticado.
Para o bem e para o mal é o termo que se usa. No entanto há um efeito pernicioso e extremo na sua utilização, muitos doentes tendem a resignar-se à doença sem a lutar ou trabalhar filosófica ou emocionalmente. Um trabalho que poderia e deveria ser feito a acompanhar qualquer eventual e necessária medicação.
É a esse termo "doença" que Szasz se refere, um termo inflaccionado e que a muitos interesses convém por desresponsabilizar o indivíduo do seu próprio poder e encaminhá-lo para uma dependência material e química. É a essa "doença" que Szasz se refere...

quinta-feira, outubro 30, 2008 6:12:00 da tarde  
Anonymous zi said...

Antes de mais o que se diz no video nada tem a ver com a esquizofrenia. Há sessenta anos já havia esquizofrénicos e não é possível, se já viram algum surto psicótico, acreditar que aquele estado possa ser normal ou ser apenas um desvio do normal. São doenças reais, que existem e continuarão a existir na sociedade porque, apesar de tratamento na crise e de manutenção, há sempre a possibilidade de um novo surto. Claro que há 60 anos havia menos doenças mentais! A esperança de vida também era muito inferior e nem antibióticos havia. Os tempos passam e mudam e tudo evolui, bem como o conhecimento médico e científico. Quanto ao video, seguramente que o Szasz viu crianças hiperactivas. Digam aos pais destas crianças que elas são normais! que os deixem ser como são! Uma vez numa consulta de pediatria tive um miudo assim e acreditem que não ficou nada por mexer no gabinete! Existe actualmente e já consagrado no DSM-IV o défice de atenção e hiperactividade no adulto. Se não é doença porque melhora com a medicação? Ou será que devemos é começar a tomar estimulantes para sermos assim porque, pelos vistos, se eles também são normais, porque não sermos como eles?

terça-feira, dezembro 14, 2010 4:32:00 da tarde  
Blogger Mário Rui Santos said...

Zi, dá para ver que está emocionalmente envolvida mas também completamente iludida - desculpe a franqueza.
Tudo o que é dito tem a ver com a dita "doença" e os "surtos psicóticos" fruto de uma constante repressão e incompreensão.
Não ajudando as pessoas com estratégias cognitivas de adaptação elas vão reprimindo, acumulando, até que...

Quanto à evolução do conhecimento médico e científico...
Por um lado evolui, por outro involui - para que se rentabilizem medicamentos.

No seu gabinete não conseguiu "controlar" uma criança "hiper-activa" - talvez possa aprender um dia a fazê-lo, sem químicos.
É possível, sabe?

DSM?
DSM=Falácia pseudo-científica.

A doença não melhora com a medicação - os sintomas são mascarados.

Mas é mesmo preciso estar a lembrar isto tudo a uma médica?

:(

sexta-feira, agosto 01, 2014 4:24:00 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home