2007/04/27

A Espiritualidade


Se analisarmos a espiritualidade do homem como aquilo que se refere ao seu incorpóreo, ao imaterial, à sua consciência ou à sua mente superior - não necessariamente numa perspectiva religiosa - vemos como esse mesmo homem tende a encarar a sua espiritualidade como algo distante.
Tão distante, tão trabalhoso, tão etéreo que nem sequer se abre à possibilidade de constatar a sua actual vivência e existência com essa mesma espiritualidade dentro de si, em si, consigo...
E assim considera-se muitas vezes um ser passivo, não espiritual e pouco digno de um contacto com essa parte ou perspectiva expandida de si.
No entanto, aqueles que se abrem à possibilidade de existência de uma outra perspectiva expandida, uma outra perspectiva desta sua experiência terrena, assumem de forma crescente e irreversível um outro grau de harmonia e equilíbrio num caminho de encontro com essa espiritualidade, iniciam aquilo que em matemática se designa como equação de variáveis múltiplas. Percebendo que o resultado dessa mesma equação depende largamente de variáveis não apenas materiais ou físicas mas também de uma série de outras infindáveis e multi-sensoriais variáveis. Como por exemplo a felicidade, ou outros fantásticos estados de espírito igualmente equacionáveis e contributivos para a mesma harmonia do indivíduo.
E o que torna tudo isto ainda mais interessante é que nesse trabalho de matemática permanente, mental e natural, o homem apercebe-se que esses estados de espírito são não só equacionáveis mas também geríveis. Passando ele, a partir desse momento, também, não só a considerar essas variáveis mas sim a criá-las.

---

"O meu apelo por uma revolução espiritual não é um apelo por uma revolução religiosa. Considero que a espiritualidade esteja relacionada com aquelas qualidades do espírito humano - tais como amor e compaixão, paciência, tolerância, capacidade de perdoar, contentamento, noção de responsabilidade, noção de harmonia - que trazem felicidade tanto para a própria pessoa quanto para os outros. É por isso que às vezes digo que talvez se possa dispensar a religião. O que não se pode dispensar são essas qualidades espirituais básicas."
Jetsun Jamphel Ngawang Lobsang Yeshe Tenzin Gyatso, o 14º Dalai Lama

---
Celtic_Bagpipes

13 Comments:

Anonymous rosa said...

Para mim, aceitar que eu poderia “acreditar” sem estar “presa” a uma religião, foi a maior libertação

sexta-feira, abril 27, 2007 7:03:00 da tarde  
Anonymous jorge a. said...

Espiritualidade é o encontro comigo próprio...

sexta-feira, abril 27, 2007 11:27:00 da tarde  
Anonymous jorge a. said...

...e adorei esta música - tem uma energia fantástica :) abraço

sábado, abril 28, 2007 9:25:00 da tarde  
Blogger Mário Rui Santos said...

Obrigado Rosa e Jorge, pela vossa visita e comentários - fiquem bem ou melhor ainda ;)

sábado, abril 28, 2007 9:26:00 da tarde  
Anonymous rusa said...

a espiritualidade é algo que faz parte da nossa condição de 'seres'. Mas acredito que temos que ser ensinados - em pequenos - nessa espiritualidade.
Eu entrei em contacto com ela através da religião, através dos ensinamentos dos meus pais, das escrituras, do culto religioso.
Expliquei um dia à minha filha mais velha que ir ao local de culto da religião que durante alguns anos professei, era uma forma de entrarmos em contacto com a nossa condição de seres espirituais. Que se vivessemos na Índia iríamos a um templo hindu, ou se no Japão a um templo xintuísta... Eduquei os meus filhos, enquanto pequenos, nos valores de uma religião que fazia parte da tradição familiar e nacional. Era o que estava mais à mão. E foi importante.
Ficaram com bases que durante a sua vida irão desenvolver da forma que melhor lhes aprouver.
Esta é só uma via ... acredito que há outras.
Eu não me dei mal já que me pude libertar mais tarde das 'baias' exigidas pela religião. Aproveitei o bom e larguei o que me constrangia.

segunda-feira, abril 30, 2007 1:13:00 da manhã  
Blogger Mário Rui Santos said...

penso que estas minhas "provocações" sobre o aparente óbvio são sempre benéficas porque os conceitos podem ter sempre algumas interpretações divergentes.
este tema coloquei-o aqui porque venho sentindo que à volta do conceito de espiritual existem algumas interpretações limitadoras que o relacionam exclusivamente com a religião, com a igreja ou com um divino pré-formatado.
e isso, só por si, não me parece errado mas para algumas pessoas essas conotações/ligações causam alguma reserva e constrangimento, porque o seu conceito pessoal de entidade superior, consciência expandida ou energia universal - que me parecem ser outras perspectivas espirituais - são bem mais do que algumas religiões e igrejas praticam.
é usual, por exemplo, eu ouvir pessoas dizerem-me "sou católico, mas não praticante (porque não vou à igreja" e questiono-as sobre essa sua perspectiva. porque apesar de elas não irem com mais frequência à sua igreja, na sua vida diária os valores pelos quais se regem e vivem são provavelmente mais católicos do que muitos ditos "praticantes".
mais uma vez esta discussão à volta do conceito do espiritual, ou da espiritualidade, coloca-se porque nem as pessoas são máquinas nem as interpretações dos conceitos são exclusivistas.
as nossas próprias definições pessoais, ou interpretações, vão crescendo e se desenvolvendo à medida que nós próprios vamos também crescendo como seres humanos.
e por vezes chegamos à conclusão que afinal somos mais espirituais do que julgavamos ser.

segunda-feira, abril 30, 2007 10:35:00 da manhã  
Anonymous Alice said...

"...e por vezes chegamos à conclusão que afinal somos mais espirituais do que julgavamos ser."

Pois é Mário, eu também acho... porque todos os dias cresço... :)

terça-feira, maio 01, 2007 10:19:00 da tarde  
Blogger Mário Rui Santos said...

Pois, Alice - eu também gosto de acreditar que sim. E acho que só pelo facto de acreditar, cresço...

quarta-feira, maio 02, 2007 11:45:00 da manhã  
Blogger Xicha said...

Nunca consegui nem consigo estar presa a nenhuma religião penso que o caminho está dentro de cada um de nós aceitando e acreditando no que vém para nós porque existe algum motivo, alguma razão...
Abraço
Xi

quinta-feira, maio 03, 2007 1:29:00 da tarde  
Blogger Mário Rui Santos said...

Para muitas pessoas a religião é a forma de encontrar e viver a sua espiritualidade. Respeito quem o faz e quem se sente feliz fazendo-o. Assim como respeito quem encontra a sua própria forma de espiritualidade.
"Muitos caminhos. A mesma luz."

sexta-feira, maio 04, 2007 12:13:00 da manhã  
Blogger Xicha said...

Mas claro que também respeito todas elas, sentindo-as apenas como um todo ou seja sou pela união e como a união faz a força penso que vai resultar um dia ...
bj
Xi

quinta-feira, maio 10, 2007 3:34:00 da tarde  
Anonymous teresa said...

Muito bonito o que tu escreves. E tão verdade.
abraço

sábado, julho 12, 2008 12:59:00 da tarde  
Blogger Mário Rui Santos said...

Obrigado Teresa - abraço

sábado, julho 12, 2008 3:46:00 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home