2007/05/07

A responsabilidade emocional


Numa fase mais adulta da nossa vida por vezes sentimos que os outros nos causam perturbação. De uma forma directa olhamos para alguém e imediatamente parece que nos sentimos perturbados.
De facto, não é tanto aquilo que a pessoa é mas sim o que a pessoa faz, que nos faz pensar que sentimos algo de negativo em relação a essa pessoa.
Aquilo que sentimos é em relação ao que ela faz e não ao que ela é. Ela (essa pessoa) é matéria ou energia como nós, à partida tem até tudo o que de base pode levá-la a que pense como nós e que partilhe de muitos dos nossos sentimentos positivos, gostos, amores, etc...
E essa energia que nos é exterior, essa pessoa, nem sempre terá uma capacidade de auto-observação ou auto-crítica que a leve a reflectir sobre as consequências dos seus actos nas outras pessoas.
Por outro lado, nós mesmos, nem sempre estamos certos. Podemos estar condicionados por uma falta de informação, de outras perspectivas alternativas, de alguns involuntários preconceitos. Também erramos.
Assim, e apesar de sermos mais ou menos intuitivos, provavelmente não conseguimos comunicar telepaticamente com os outros ou os outros connosco (embora haja quem consiga...). Por isso o mais eficaz será, talvez, mesmo assumirmos uma posição de responsabilidade pela construção dos nossos sentimentos e das nossas emoções.
E não sugiro, de nenhuma forma, que sejamos mecanicistas na nossa forma de sentir e nos emocionarmos - nada disso. Sugiro que sejamos apenas mais responsáveis na construção desses tão importantes pensamentos.
Partilhando, falando e expondo o que sentimos para que possamos esclarecer e ser esclarecidos. Principalmente naquelas situações geradoras de pensamentos menos simpáticos ou interessantes, porque por vezes as pessoas erram ou enganam-se. E no equívoco sentimentos e emoções são criados.
Mais uma vez, porque por vezes as pessoas erram ou enganam-se, e as pessoas somos nós também.
(imagem: Matt Yannascoli)
---
"Assim, temos por prioridade criar boas emoções - compaixão e amor - e ampliá-las. Paralelamente a prioridade é reduzir as emoções negativas, o ódio e as outras emoções perturbadoras.
...a
mente, ainda que sempre presente, segue misteriosa. É necessário saber mais sobre ela. As emoções negativas parecem perfeitamente naturais, portanto precisamos cultivar as emoções positivas! Por serem frágeis, as emoções positivas têm que ser cultivadas. "
in Conferência de Sua Santidade o Dalai Lama-Abertura do Simpósio sobre a Ciência e a Mente-Universidade de Lisboa- 28 de novembro de 2001

---
Breathe - Midge Ure

7 Comments:

Blogger Gato Vadio said...

Concordo com a criação das emoções positivas. E tenho o diálogo como a única via. Mas para o diálogo é preciso duas pessoas (pelo menos). E as duas terão de fazer esse exercício.

Algumas pessoas acumulam frustrações pessoais com as quais não conseguem lidar e (mesmo que inconscientemente por vezes) tornam-se vingativas em situações que não passaram de mal entendidos. Essas pessoas raramente percebem que não gostam delas próprias precisamente por fazerem maldades, mas não conseguem evitar, seduzem para ferir.

Devemos estar atentos aos nossos erros, pois apenas com o conhecimento deles podemos aprender. Mas não temos de nos atirar consecutivamente aos pés de quem nos pisa. Aqui é quando nem sempre consigo "domesticar" as emoções...

terça-feira, maio 08, 2007 3:23:00 da manhã  
Blogger Mário Rui Santos said...

Também concordo em parte com a tua perspectiva, mas é aqui que podemos contrariar um pouco as leis da física e em vez de respondermos à agressão com a agressão, respondemos à agressão com a pedagogia. Até ao limite da razoabilidade...
Mas é interessante, e eu próprio costumo fazer essa experiência, quando porventura sou agredido ou insultado se responder de forma tranquila e à altura das circunstâncias, as outras pessoas surpreendem-se radicalmente e na maior parte das vezes caem em si.

terça-feira, maio 08, 2007 1:25:00 da tarde  
Blogger Mário Rui Santos said...

a propósito disso, relembro-te uma história (que talvez já conheças)

"De Quem é o Presente?

Perto de Tóquio vivia um grande samurai idoso que agora se dedicava a ensinar o zen aos jovens. Apesar de sua idade, corria a lenda de que ainda era capaz de derrotar qualquer adversário. Certa tarde, um guerreiro conhecido por sua total falta de escrúpulos apareceu por ali. Era famoso por utilizar a técnica da provocação: esperava que seu adversário fizesse o primeiro movimento e, dotado de uma inteligência privilegiada para reparar os erros cometidos, contra-atacava com velocidade fulminante. O jovem e impaciente guerreiro jamais havia perdido uma luta. Conhecendo a reputação do samurai, estava ali para derrotá-lo, e aumentar sua fama. Todos os estudantes se manifestaram contra a ideia, mas o velho aceitou o desafio. Foram todos para a praça da cidade, e o jovem começou a insultar o velho mestre. Chutou algumas pedras em sua direcção, cuspiu em seu rosto, gritou todos os insultos conhecidos, ofendendo inclusive seus ancestrais. Durante horas fez tudo para provocá-lo, mas o velho permaneceu impassível. No final da tarde, sentindo-se já exausto e humilhado, o impetuoso guerreiro retirou-se.
Desapontados pelo fato de que o mestre aceitar tantos insultos e provocações, os alunos perguntaram: - Como o senhor pode suportar tanta indignidade? Por que não usou sua espada, mesmo sabendo que podia perder a luta, ao invés de mostrar-se covarde diante de todos nós?
- Se alguém chega até você com um presente, e você não o aceita, a quem pertence o presente?
- A quem tentou entregá-lo - respondeu um dos discípulos.
- O mesmo vale para a inveja, a raiva, e os insultos - disse o mestre - Quando não são aceitos, continuam pertencendo a quem os carregava consigo. A sua paz interior, depende exclusivamente de você. As pessoas não podem lhe tirar a calma, só se você permitir... "

in http://contoseparabolas.no.sapo.pt/

terça-feira, maio 08, 2007 1:35:00 da tarde  
Blogger Flôr said...

BOMMMMMMMMMMMMMM DIA Amigo! :)

Cultivemos então, emoções positivas, boas emoções! :D

Posso pedir-te que passes no meu "jardim" e deixes lá a tua opinião sobre as touradas? Eu sei que o teu comentário será cheio de Sabedoria. :D

Um dia muito azul e cheio de Luz para ti, com carinho e admiração da amiga Flor

Bjo

quinta-feira, maio 10, 2007 10:37:00 da manhã  
Blogger Xicha said...

O pior é quando sentimos as nossas emoções bloqueadas de alguma forma torna-se frustante não conseguir ultrapassar alguns obstáculos que insistem em estar ali, obviamente que a culpa não é dos obstáculos mas sim nossa mas...
Abraço p ti Mário
Xi

quinta-feira, maio 10, 2007 3:30:00 da tarde  
Blogger Gato Vadio said...

Num primeiro impacto concordo, falar com docura para alguém que está aos gritos pode ter um efeito surpreendente. Referia-me a acto contínuo por parte de quem fere consecutivamente..

sexta-feira, maio 11, 2007 1:23:00 da manhã  
Blogger Mário Rui Santos said...

Os obstáculos não são paredes, são isso mesmo: obstáculos.
E até mesmo as paredes vêm abaixo ;)

Quanto aos actos contínuos, não me esqueço que acima de tudo nos devemos respeitar a nós mesmos e por isso se todos os recursos "pedagógicos" já foram utilizados, temos de passar a outras técnicas mais comportamentais... passando em primeiro lugar por alterarmos os nossos próprios comportamentos com essas pessoas, para que elas percebam que deverão alterar o seu.

sexta-feira, maio 11, 2007 11:20:00 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home