2007/09/10

Crescer


Na educação dada pelos nossos pais, ou por quem nos ajudou a crescer, foi-nos muitas vezes mostrado aquilo que não devemos fazer. E na maior das boas vontades desses nossos educadores, essa foi muitas vezes a técnica mais usada, motivando-nos a não fazer ou a evitar em detrimento do querer e do fazer.
Esse condicionamento foi sendo por nós reforçado ao longo da nossa vida e alguns de nós deixaram que esse julgamento e essa crítica negativa fosse ganhando espaço na sua vida. Não deixando espaço ao elogio, ao querer e ao buscar o positivo.
Assim, muitos de nós regem-se mais pelo julgamento negativo e o evitar, para desta forma negativa se sentirem mais confortáveis com algumas partes menos interessantes da sua vida.
Criticamos, falamos mal, julgamos, numa esperança cega de nos sentirmos melhor connosco próprios. Mal sabemos nós quantas brechas vamos abrindo nesta nossa frágil estrutura de personalidade, que deixando de crescer se procura sentir cómoda nessa estagnação.
É uma dinâmica mental que nos pára e amarfanha. Uma dinâmica que remedeia as inseguranças mas não constrói caminhos, apenas aponta buracos na estrada. Uma dinâmica que nos diz que estamos perdidos e nos faz parar, mas que não nos ajuda a levantar a cabeça para olharmos o céu, o horizonte e avançar.

Ouvi ontem alguém dizer que uma das coisas fantásticas e mais importantes desta nossa vida é o aprender a contemplar. E é nessa postura de contemplação que registamos a nossa forma de estar na vida. É nessa contemplação dos outros e do mundo que sonhamos, criticamos, julgamos, e nos limitamos ou activamos para crescer.

Durante muitos anos vivi num registo de contemplação altamente crítica, criando na minha mente aquilo que agora percebo terem sido alguns frágeis mecanismos de auto-segurança. E aprendi da pior forma.
Aprendi que para estar nesta vida posso escolher entre esperar o melhor ou realçar o pior, que posso escolher entre elogiar o positivo ou criticar o negativo, que posso ouvir alguém com um sorriso nos lábios ou parecer desconfiado, que posso aproximar-me de alguém esperando uma surpresa positiva ou abrindo a porta à desilusão.
E nesta aprendizagem que vivo, cada vez mais percebo que esta minha postura não é a de um ingénuo optimista mas sim a de alguém que fica mais sábio com as experiências vividas. Porque as vivo de corpo e alma e com essa energia e conhecimento fico mais forte, aprendo e cresço.
---
"Quem julga as pessoas não tem tempo para amá-las."
Madre Teresa de Calcutá
---

7 Comments:

Anonymous t.c. said...

Considero-me bastante positiva e predisposta a receber o melhor das pessoas que me rodeiam, mas nem sempre é fácil apresentar esta perspectiva de uma forma calma e bem argumentada - obrigada pela dica ;)

segunda-feira, setembro 10, 2007 5:22:00 da tarde  
Anonymous jorge a. said...

Também sinto que quanto mais desprendido observo e vivo as situações pelas quais vou passando, percebo que carrego a minha carga de energia contemplativa de esperança. De esperança pelo bom ou pelo bem. Abraço

segunda-feira, setembro 10, 2007 10:39:00 da tarde  
Anonymous fernanda said...

e se por acaso o menos bom acontecer, estou muito melhor apetrechada para lidar com isso

terça-feira, setembro 11, 2007 11:37:00 da manhã  
Anonymous susana said...

antecipar o pior predispõe-nos para o pior, antecipar o melhor prepara-nos para o pior com a esperança de que o melhor acontece...

terça-feira, setembro 11, 2007 2:53:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

mas quebrar esse condicionamento de crítica negativa nem sempre é fácil - eu sei

terça-feira, setembro 11, 2007 8:38:00 da tarde  
Anonymous Alice said...

"Quem nunca errou que atire a primeira pedra". ... quem somos nós para julgar...?!?!

segunda-feira, setembro 17, 2007 10:20:00 da manhã  
Blogger Mário Rui Santos said...

Este é um blog vivo, de partilha e de co-construções de alternativas aos formatos e aos paradigmas existentes.
A sua vida depende não só de mim mas de quem o visita, de quem o lê e de quem o comenta.
Todos os comentários são lidos - mesmo nos textos mais antigos - e, sempre que se justificar também os comentarei.
Por isso verão na maior parte dos textos este meu comentário e esta minha explicação - a sua presença é uma prova de que o blog está vivo e de braços abertos para a vossa mais que bem-vinda partilha.
Esse comentário pode ser feito directamente nesta página, mas se tiver problemas de ordem técnica envie-me por favor o seu comentário identificando o nome do texto que quer comentar para comments@hipnozz.com e eu publicá-lo-ei com o seu conhecimento.
Obrigado pela sua visita e pelo seu comentário.
Volte sempre :)

quinta-feira, outubro 04, 2007 6:17:00 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home