2006/10/23

O leme

Estás num veleiro em pleno mar alto.
A tripulação de doze homens, incluindo o capitão, sofreu uma intoxicação alimentar. És a única pessoa a bordo consciente.
Uma tempestade aproxima-se. Avistas as nuvens escuras.
Mais a norte vislumbras o que te parece uma ilha.

Na tua mente várias hipóteses se colocam. Não tens grande prática de navegação, mal sabes o que é um leme. Olhas para um bote de salvamento. Recriminas-te por teres pensado em tal.

Pensas em te juntares ao resto da tripulação, no porão até que a tempestade passe. Confiando em Deus. No teu Deus.

Pensas em pegar no leme e olhas de novo para aquilo que te parece uma ilha. Continuas sozinho. A tempestade aproxima-se. Pegas na roda do leme ?

7 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Pegava no leme!

segunda-feira, outubro 23, 2006 12:38:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Pego no leme, tal e qual como fiz com a minha vida há algum tempo atrás.
Altruísta que sou, bebo da minha espiritualidade e sigo em frente, tendo consciência de que Alguêm me move...Alguêm me acompanha... e se eu naufragar, por algum motivo imperativo será.

segunda-feira, outubro 23, 2006 2:07:00 da tarde  
Blogger JASG said...

Colocava os doze tripulantes inconscientes (que só estorvavam) no bote e mandava-os para a ilha e depois afundava o barco. A mim a tempestade não me apanhava!

segunda-feira, outubro 23, 2006 10:07:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Claro que pegava no leme e me punha a milhas da ilha. Quando estivesse(mos) a salvo punha os outros ao leme e ia eu beber.

terça-feira, outubro 24, 2006 10:55:00 da manhã  
Blogger A Flor said...

Pegava no leme, pois acredito, que "alguém" me enviaria a sabedoria necessária para levar o barco a bom porto!...

Um sorriso da Flor

quarta-feira, outubro 25, 2006 12:48:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Sem dúdida que pegava no leme!
A insconsciência dos outros faz a minha consciência...
Tempestade no mar, gaivotas em terra. Tal como Fernão Capelo Gaivota também eu posso voar...
Também eu posso imaginar que seria um capitão e que levaria aquele veleiro a bom porto!

quinta-feira, outubro 26, 2006 10:14:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Eu acredito que é nos momentos de maior aflição que vem ao de cima a grandeza do ser. Tenho pena dos cobardes que existem mas... nada de errado!
Somos todos herois!

terça-feira, novembro 07, 2006 12:03:00 da tarde  

Publicar um comentário

<< Home