2006/10/17

Os companheiros dos sonhos


O sonho convida à partilha, à companhia e ao crescimento mútuo.

E quando partilhamos os nossos sonhos e sorrimos só com a sua partilha é como convidarmos alguém a entrar numa pequena viagem e a dividir connosco as etapas e o destino.

É entrarmos numa carruagem fantástica conduzida por um cocheiro louco que faz estalar o chicote nos flancos dos cavalos mais preguiçosos. Um som de que não gostamos.

E dentro da carruagem por vezes navegamos sózinhos, mas é um espaço para o qual gostamos de convidar. De envolver e partilhar. Gostamos de sentir o nosso companheiro daquela viagem a sorrir connosco, de sentir aquelas chicotadas do cocheiro louco cada vez menos frequentes. Até que se ouçam só os cascos dos cavalos.

Sabemos também que nessa partilha por vezes o nosso companheiro de viagem nos sugere outros caminhos, e que essa informação a poderemos dar ao cocheiro. Mas mesmo assim não sentimos o som do chicote no flanco dos cavalos. Sentimos uma fluidez aumentada e o som dos cascos mais enérgico, forte, decidido. Sentimos.

Noutras vezes esse companheiro que convidámos, pelos seus medos ou por outras razões, obriga a que o nosso cocheiro louco se torne mais violento e faça sangrar os pobres e já cansados cavalos que sentem a presença e o peso desse nosso convidado.

E como o sofrimento alheio nos perturba, pediremos naturalmente ao nosso cocheiro louco para parar a carruagem, convidamos o nosso companheiro de viagem a deixar de o ser, afagamos os cavalos e seguimos viagem.

7 Comments:

Anonymous Anónimo said...

beijos,com sonhos atrasados

terça-feira, outubro 17, 2006 10:39:00 da tarde  
Blogger Mentes Ocupadas... said...

...por vezes, nada melhor do que andar de cavalo a passo, sem sela e sem freio, sem magoar...só a passo, esquecendo o trote e o galope, já para não falar dos saltos...

terça-feira, outubro 17, 2006 11:02:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Galopan
Caballos
En la noche
Por dentro
de mi pecho

quarta-feira, outubro 18, 2006 12:05:00 da manhã  
Blogger Pedro M. Santos Pereira said...

Uuuhm! Nunca experimentei. Pode ser que sim. É de facto uma partilha profunda... a raiz do pensamento e do self.

Uns e outros são mais que aliados fieis, aqueles que sabemos só nós sabermos onde estão e como são! Eles (pensamentos e sonhos) são o que somos. Não são outra coisa, são a nossa coisa e conosco a coisa toda.

Experimenta este:

"No outro dia estive na penumbra do Cosmos, em uma qualquer galáxia - à direita, para cima, uma espiral suspensa; à esquerda, a vir de baixo, uma Luz. Não fui para lá. Estava lá. E como sempre estava muito bem. Observava. Desfrutava"

quarta-feira, outubro 18, 2006 12:12:00 da manhã  
Blogger Mário Rui Santos said...

y tranquilos, pasean los caballos, por la galaxia...

quarta-feira, outubro 18, 2006 10:17:00 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

pedro m. santos pereira...
gostava muito de saber se és a pessoa que estou a pensar que és...
Sissi, Coimbra,Figueira da Foz, Store..., diz-te alguma coisa?

sábado, outubro 21, 2006 12:11:00 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

A partilha é de facto fantástica...desde criança que tenho um gosto especial em dar, em partilhar!
Pena é quando quem nos acompanha, não consegue fazê-lo com o mesmo sentido que nós, porque não se encontra no mesmo patamar de vida e por consequência nos faz abrandar, refrear do nosso caminho.
Chegamos atrasados pelo desvio que fizemos, mas chegamos (!) porque somos "gente" de convicções magnânimes.

segunda-feira, outubro 23, 2006 2:28:00 da tarde  

Publicar um comentário

<< Home